biocombustíveis

Um amplo passo foi dado com a primeira geração de biocombustíveis, tais como o etanol e o biodiesel, que utilizam cultivos já disponíveis – primeiramente milho, cana-de-açúcar e soja. Enquanto acreditamos nos méritos da primeira geração de combustíveis e aplaudimos todos aqueles que contribuíram para o seu sucesso, achamos que eles são apenas os primeiros passos para um caminho na redução do uso de combustíveis fósseis.

Levando a produção de etanol extraído da cana um passo a frente

O Malibu sorgo etanol, uma cultura com alto teor de açúcar, pode ser processada em usinas de açúcar para sazonalmente estender a produção de etanol quando a cana-de-açúcar não estiver disponível. Isso permitiria uma amortização no capital investido, já que o volume produzido seria maior. O Malibu sorgo etanol pode ser colhido a entre safra da cana-de-açúcar e ser processado nas destilarias existentes com pouco ou nenhum industrial adicional.

Bioinsumos avançados para biocombustíveis avançados

Destilarias avançadas e de biocombustíveis celulósicos estão evoluindo do amadorismo à escala comercial. À proporção que essa nova geração da indústria de combustíveis emerge, cresce a demanda por novos combustíveis escaláveis de celulose e açúcar. Para aqueles processos baseados em fermentação do açúcar, o Malibu sorgo etanol oferece açúcares confiáveis, consistentes, com preços competitivos e para uma ampla gama geográfica. Para os processos de celulose, o sorgo com alta produção de biomassa e painço amarelo produzem um insumo de biomassa confiável, consistente e de custo competitivo.