O sorgo desponta como alternativa para a produção de biomassa



Números da Datagro estimam que a safra 2014/2015 apesentará uma queda de pelo menos 6% na moagem da cana-de-açúcar em relação à safra 2013/2014. O fato, consequentemente, gerará menos bagaço (biomassa) para a produção de energia ou etanol celulósico. Mas, algumas alternativas estão surgindo para transpor esses obstáculos. Uma delas é a plantação de sorgo, cultivado no período da entressafra. A planta, além de suprir a necessidade de biomassa da usina e se adaptar muito bem ao clima quente e solo do país, tem um ciclo muito reduzido, de apenas 120 dias, e não exige mudanças ou adequações nos parques industriais uma vez que as indústrias já trabalham com o processamento de sacarose.
Duas espécies têm sido utilizadas: o sorgo registrado ano passado pelo Ministério da Agricultura como “Palo Alto” e o sorgo etanol Malibu. Esta última, inclusive, acumula açúcar para a produção de etanol de primeira e segunda geração, apresentando-se como uma alternativa bem interessante para o produtor de cana tanto como complemento na produção quanto na melhoria do solo. “Temos várias vantagens no sorgo. Mas, a curta produção de apenas 120 dias e a plantação em áreas de renovação realmente são que mais entusiasmam o produtor”, disse o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso.

O setor canavieiro renova seus campos entre 12% e 16% todos os anos e parte desse território fica ocioso entre novembro e março, existindo alternativas atraentes de utilização desses espaços. “Muitas usinas poderão manter ou até ampliar sua oferta de biomassa e matéria-prima produzindo sorgo”, comentou o presidente da Asplan, frisando que projetos que colocavam o sorgo como alternativa complementar ao cultivo da cana-de-açúcar já existia desde os tempos do Proálcool. No Centro-Sul, a cultura já vem sendo desenvolvida há algum tempo, com sua colheita acontecendo nas vésperas da colheita da cana. No Nordeste, experiências já podem ser vistas nos estados do Rio Grande do Norte, Pernambuco e Sergipe.

Sobre o sorgo

A planta tem seu maior desenvolvimento nos meses mais quentes do ano, que proporcionam um ambiente ideal para o crescimento da planta, que tem tamanho médio de 2,5 metros. Apesar de ter uma produção menor, a planta tem menor exigência hídrica que a cana-de-açúcar ( algo em torno de 400mm), baixo custo de produção e prazo bem mais curto para colheita, algo em torno de 120 dias, enquanto que a cana-de-açúcar demora de 1 a 1,5 ano.

Fonte: http://www.paraibatotal.com.br/noticias/2014/10/01/16142-o-sorgo-desponta-como-alternativa-para-a-producao-de-biomassa

facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailfacebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

 

Publicado em Outubro de 1st, 2014 em Categories: noticias Comments: Comments Off


Sem Comentários