Sorgo biomassa pode ser alternativa na região.



Objetivo da Cocamar, ao incentivar o cultivo, é utilizar a matéria prima como combustível nas caldeiras de seu parque industrial.
Por Marly Aires.

Em busca de alternativas de biomassa para uso nas caldeiras de seu parque industrial, a Cocamar estuda a possibilidade de abrir espaço para o sorgo biomassa. Por isso, tem incentivado o cultivo dessa planta em uma área de 70 a 100 km de distância de Maringá. O objetivo é criar mais uma alternativa de cultivo comercial na região, podendo este ser feito no inverno ou no verão.

A planta, de crescimento rápido e alto potencial produtivo, pode atingir até seis metros de altura em apenas 120 dias. O corte, entretanto, é feito com 90 a 110 dias. A grande vantagem, segundo explica o coordenador técnico de culturas anuais, Emerson Nunes, é o fornecimento de um grande volume de massa em um curto período. São produzidas de 25 a 30 toneladas por hectare com 50% de umidade.

Há uma estatística comparativa que aponta: enquanto o eucalipto produz, em média, 100 toneladas de matéria seca por hectare em cinco anos, o sorgo biomassa oferece cerca de 30 toneladas por hectare, mas em apenas três meses. Outra vantagem é tratar-se de uma cultura menos suscetível a pragas e doenças, além de ser totalmente mecanizável. “Por suas características, o sorgo diminui a população de alguns nematoides no solo, a incidência de determinadas doenças na cultura do milho e inibe o desenvolvimento de plantas daninhas”, diz Nunes.

Poder calorífico

Pesquisado pela Embrapa e outras empresas, esse tipo de sorgo apresenta qualidade para gerar energia, com poder calorífico semelhante ao do bagaço da cana de açúcar e do eucalipto. O teor de fibra varia de 22% a 28% e a umidade, em torno de 50%, o que é baixo, ideal para queima nas caldeiras. O material também pode ser utilizado em usinas termelétricas, para gerar energia.

“Não podemos ficar dependentes de poucas fontes de energia e das oscilações de mercado”, comenta Nunes. “Temos divulgado o projeto entre os cooperados buscando identificar áreas potenciais para cultivo, que pode ser uma opção para o agricultor”, acrescenta.

Segundo o coordenador técnico, há várias possibilidades de manejo em estudo: plantar o sorgo mais cedo, a tempo de ainda plantar aveia antes da soja; plantar em consórcio com a braquiária, da mesma forma que é feito com o milho; além de ser uma cultura que pode ser plantada o ano todo, conforme as condições climáticas. Existem também estudos para adensamento da biomassa de sorgo (enfardamento e briquete). Isso possibilitará produzir a distâncias maiores do local onde será utilizado, e ainda ampliar o uso final da biomassa, como em forno de pizzaria, fornalha de secadores de grãos e outros.

Fonte: Jornal de Serviço Cocamar – Cultivo

facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailfacebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

 

Publicado em Abril de 13th, 2016 em Categories: noticias Comments: Comments Off


Sem Comentários